quinta-feira, setembro 29, 2005

FUNCHAL - PORTUGAL

Image hosted by Photobucket.com

Porto do Funchal. Por enquanto ainda está aberto ao público mas é provável que no futuro esteja vedado o livre acesso. Vão aproveitando a oportunidade de ter outras perspectivas da cidade.

sexta-feira, setembro 23, 2005

O FRACASSO DO DIA EUROPEU SEM CARROS

Enquanto não se perceber que as pessoas escolhem sempre o caminho mais cómodo e mais fácil não se conseguirá diminuir a utilização do carro particular e não se conseguirá resolver este drama de todos os dias normais de horas e horas perdidas em filas de trânsito.
Se levo mais ou menos o mesmo tempo de transportes públicos ou de carro particular, se não tenho de cheirar a falta de higiene das outras pessoas com os apertões das horas de ponta no meu carro o que me faria usar os transportes públicos? Qual a vantagem de se usar transportes públicos em Lisboa se uma pessoa tiver carro particular?
Sem dúvida um tema caro em várias autarquias que merecia ser tratado na campanha mais do que os ataques pessoais do costume motivo suficiente para afastar os cidadãos dos debates porque os debates não tratam de problemas dos próprios mas sim dos egos de cada candidato.

FUNCHAL - PORTUGAL

quinta-feira, setembro 15, 2005

CLUBE NAVAL DO FUNCHAL - FUNCHAL - PORTUGAL



A maior concentração de Status Pelatus da Madeira.

QUEM FALTA AOS DEBATES É O QUÊ?

Candidato social-democrata confirma à TSF -Madeira que não participa no debate marcado para hoje

Miguel Albuquerque não marca presença no debate autárquico promovido pela TSF, marcado para hoje e com transmissão nacional.

Face à ausência de confirmação, a redacção da TSF-Madeira estabeleceu um contacto derradeiro com o candidato do PSD à Câmara do Funchal, no sentido de apurar a sua disponibilidade para o confronto de ideiais. Como era previsível, a julgar pelas declarações proferidas na edição de ontem do DIÁRIO, a ausência foi reafirmada e, devidamente justificada.

O candidato, numa referência directa a Carlos Pereira, argumentou que não se vai sentar ao lado de quem o difama. Outra das justificações para a ausência do debate é o facto do cabeça de lista do PSD à principal autarquia da Região não estar de acordo com a gestão do tempo, cujo o principio é o da igualdade para todas as candidaturas.

O debate é gravado a partir das 10 da manhã, sendo emitido depois das 15 horas e vai contar com a presença de Carlos Pereira, pelo PS, Artur Andrade, pela CDU, Violante Matos, pelo Bloco de Esquerda e Ricardo Vieira, pelo CDS-PP.

O debate, que ocorre no mesmo dia em que os candidatos também passam pela RTP-M, terá a duração de 90 minutos e será moderado pelo jornalista Nicolau Fernandez. Este primeiro momento de partilha de propostas políticas também pode ser seguido em todo o mundo, quer através do www.tsf.pt, como pelo www.dnoticias.pt.


in Diário de Notícias da Madeira de 15/09/2005

Igual a uma criança amuada que não sabe perder. O debate não é para o Albuquerque brilhar, é para nós termos acesso às suas ideias, para podermos melhor escolher no dia das eleições. Mas o homem já sabe que vai ganhar não porque seja ele mas poderia ser outro qualquer. Quem concorre pelos laranjas na Madeira não precisa de ter muitas ideias ou mesmo necessita de ter QI positivo. Devia ter um pouco mais de respeito pelos eleitores, mesmo com o jogo já ganho também se pode ter dignidade ao ganhar.

quinta-feira, setembro 08, 2005

PORTO SANTO

























Uma coleção de todos os textos e imagens publicados neste blog sobre o Porto Santo. Basta clicar nas imagens para ir parar ao texto. Também conhecida como Ilha Dourada, o Porto Santo é uma ilha pequena que faz parte do Arquipélago da Madeira. É um sítio óptimo para descansar.

Vou colocar uma ligação para este texto permanente na área de Especiais. Espero que gostem.

TAXAR OS CARROS

É evidente que taxar os carros nas entradas das cidades é muito pouco popular. Mas o que acontece actualmente é ridículo. O que se passa neste momento são horas e horas de vida vegetativa das pessoas dentro de um carro, no trânsito, de manhã e à tarde. Se é certo a rede de transportes públicos ser pouco eficiente isso não pode ser desculpa para não tentar resolver este drama na vida de tantas pessoas. Taxar os carros por meio de um aumento do preço do estacionamento dentro da cidade pode ser uma solução. Outra boa medida seria autorizar apenas transportes públicos em certas zonas urbanas.

quarta-feira, setembro 07, 2005

FUNCHAL



Praia entre o Lido e o Clube Naval.

CARTAS DOS LEITORES II

Sou residente no estrangeiro e casada com um madeirense (Funchal) e ele costuma falar-me orgulhosamente da gastronomia da Madeira e, entre muitos pratos, fala-me de um chamado "picado" (os outros como a Espetada á Madeirense já encontrei a receita na Internet mas este não...).
Será que conhecem algum site/link onde possa tirar a receita do "Picado"??
Ficaria muito agradecida...
Com os melhores cumprimentos.
Margarida

Vamos usar o poder da rede. Talvez alguém conheça. A todos os meus leitores, obrigado.

AUTARQUIAS

Estamos muito próximos das eleições autáquicas. Embora na Madeira as eleições sejam muito pouco emotivas porque não se discute nada e os vencedores são sempre os mesmos convém referir que existem várias câmaras na ilha mais a Câmara do Porto Santo.
Em breve surgirão links para os sítios das Câmaras Municipais da Madeira.

sábado, setembro 03, 2005

LUGARES MARAVILHOSOS


PLANETÁRIO CALOUSTE GULBENKIAN
SÍTIO OFICIAL.

O ESTILO DE VALENTIM

Todos conhecem o estilo do quero posso e mando dos valentins da vida que ainda dominam nos seus carteis em Portugal. Em algumas zonas os valentins podem-se chamar avelinos ou jardins mas não muda muito de lugar para lugar. São eles que sabem e é graças só a eles que se fazem as coisas. Não existem equipas nem nada funciona sem a sua presença. Estou à espera que eles se anulem e que o nível educacional do país se eleve para estas múmias não serem mais do que herois de café ou de discoteca. Essa é a sua verdadeira função neste planeta.

PORTUGUESES (CROMO 0013)


Francisco Louçã, professor universitário, deputado e candidato a Presidente da República.

quinta-feira, setembro 01, 2005

MOVIMENTO 560



Dia primeiro de cada mês é sempre um dia que inspira renovação. Para alguns é mais um mês que começa com os velhos hábitos do costume mas agrada-me pensar que no fim deste mês estaremos sempre melhor que no fim do mês passado.

Parece-me estúpido apoiar a incompetência nacional mas este movimento não faz isso, como cheguei a pensar no início quando cruzei-me com ele algures na web. Ele estimula o consumo ao que é nacional e dá a hipótese de cada um apoiar a indústria portuguesa. Mesmo sabendo que o produto do lado é mais barato és nos proposto pensar a nível mais elevado. Compreendemos que se compramos o produto não português o nosso dinheiro sai do país ao contrário do que acontece se comprarmos o que diz made in Portugal. Se optarmos pela última hípótese estamos a escoar o produto e a impulsionar a empresa a fazer mais e melhor surgindo mais oportunidades de emprego. É claro que tudo isto não se resolve de um dia para o outro e levará tempo até Portugal ter uma economia forte e competitiva mas é certo também que isso depende de cada um de nós. Se cada um de nós passar a gostar um pouco mais do sítio onde vive, da sua rua, do seu bairro, da sua cidade, da sua região, a nossa vida colectiva melhora, mas se continuarmos a ser um país de compadrios, bárbaros, assaltantes, corruptos, politiquinhos popularuchos, amantes da bola e mais nada então temos o que merecemos.

Pode levar uma geração, duas ou mais mas o caminho para o desenvolvimento pode ser traçado por nós.

Embora nunca tenha ido a Espanha verifiquei que a minha imagem de Espanha mudou nos últimos quinze anos. Deu para sentir a mudança do outro lado da fronteira. É mais ou menos como ouvir a música do vizinho na nossa casa. Todos sentimos que em Espanha já se toca outra música. Os nossos irmãos do lado de lá da fronteira cresceram e desenvolveram-se. E nós por cá?

O vento da crise é igual para todos. Todos apanhamos com ele. Alguns escolhem deixar-se levar e rezar esperando chegar assim a um porto de abrigo. Por sorte até se consegue algumas coisas assim mas se quisermos apostar no nosso futuro e esperar mais do que um acaso nas nossas vidas temos de aprender a manejar as velas do nosso barco. Para quê? Para podermos escolher para onde queremos ir, para podermos nos delocar não só para onde o vento vai mas para qualquer lado. Para isso é preciso aprender e aprender não se esgota numa escola ou numa faculdade. O saber não é monopólio das escolas e das faculdades. O saber é de todos nós e ainda que alguns, no topo da sua sabedoria académica mas também no topo da sua ignorância prática nos apontem os erros como coisas más convém perceber que é com esses erros que se aprende e se cresce. Quem nunca errou nunca ganhou também nada. Há dias alguém dizia que preferia a dor de ter perdido e de estar debaixo da ponte sem nada, com os filhos a chamarem-no de falhado à dor de nunca ter tentado. Eu também prefiro essa dor.