domingo, agosto 01, 2021

CAIS DO CARVÃO

CAIS DO CARVÃO - FUNCHAL

(Funchal) Cais do Carvão, no Funchal, um espaço que perdeu importância, que foi abandonado mas voltou a estar ocupado, voltou a ser usado.

quinta-feira, julho 29, 2021

LIDO

LIDO - PRAIA - FUNCHAL


(Funchal) Por estes dias o blogue faz 18 anos. Já entrámos na 19ª Temporada. Ao escrever este texto recordo-me de algumas coisas do verão de 2003, de algumas coisas que estava a fazer por volta dessa altura. Alguns anos mais do que esses 18 se passaram desde a última vez que tinha ido ao Lido, foi ainda no século XX que visitei esta praia pela última vez. Não me lembro bem quanto paguei para entrar na década de noventa mas agora foi bem mais. Em 2016, renovado, abre outra vez ao público depois da destruição uns anos antes.

Referências:

(1) - http://www.visitfunchal.pt/pt/aproveitar-o-mar/praias-e-complexos-balneares/item/208-complexo-balnear-do-lido.html

quarta-feira, julho 28, 2021

32 - ROCHINHA

PARAGEM DO 32 - ROCHINHA

(Funchal) Nos cinco anos em que andei nos Salesianos, no Funchal, lembro-me de sempre começar as aulas cedo, antes das 9h. Se a minha memória não me falha, a primeira aula começava às 8h45m. Antes dessa primeira aula havia uma oração e uns minutos de recreio e descontração, no pátio. Isso fazia com que tivesse de sair de casa umas 7h30m para apanhar o autocarro às 8h, na Avenida do Mar. Acordar deveria ser um pouco antes das 7h. Sempre tive aulas de manhã. Na primária, antes dos Salesianos, também era da parte da manhã e na Francisco Franco, no secundário, idem. Na faculdade continuou mas como o tempo de deslocamento era maior, acordar ainda mais cedo era necessário. Acho que foi por isso que nunca tive problemas em acordar e talvez por isso também não use despertador há muito tempo. Voltando aos Salesianos, a paragem do 32 era e parece que continua a ser, a primeira paragem do lado sul da avenida, depois de passar o cais da cidade no sentido este oeste, antes de chegar ao Vermelhinho, em frente ao Palácio de São Lourenço. Devo ter apanhado o autocarro aí centenas de vezes. Depois, para o tempo de conversa ser maior, chegava um pouco mais cedo, ou apanhava o 31 para o Bom Sucesso. Altura houve em que o passe de criança não dava para todas as zonas e o revisor do 31 expulsou-nos antes de chegarmos ao nosso destino. Ir no 31 significava chegar em cima da hora mas viajar sentado e com companhia. O autocarro da Rochinha, das 8, ia sempre cheio, a abarrotar. Os temas de conversa seriam, por exemplo, o que tinha passado na TV na noite ou no fim de semana passado. Para quem gostava, futebol, o filme de domingo à tarde ou de sábado à noite. Só havia um canal de televisão para a esmagadora maioria da população: a RTP-Madeira que na altura levava a televisão aos madeirenses. Hoje a RTP-Madeira leva a Madeira aos madeirenses e ao mundo. O combinar era amanhã à mesma hora aqui neste banco ou ali mais atrás. Não havia telemóvel para mandar mensagem que estou atrasado ou hoje não consigo ir nesse horário. Houve um dia em que por alguma razão não houve a primeira aula e era possível chegar mais tarde. Estava sozinho na paragem, voltado para o placar quando aparece o Bruno. Disse-lhe olá e continuei na minha análise enquanto ele insistia para que olhasse para o carro novo do pai que acabara de o deixar ali. Lá lhe fiz a vontade e deixei escapar um muito fixe para ver se o acalmava. O Bruno era um personagem, era um daqueles tipos sempre preocupados com a roupa de marca e com os carros que o pai tinha e com os carros que os pais dos outros tinham. Ainda hoje, muitos anos depois, continuo a encontrar Brunos por aí. Pessoas mais preocupadas com a marca do que com a utilidade e uso das coisas.

segunda-feira, julho 26, 2021

TRADE AIR

TRADE AIR - A320 - LPMA


(Funchal) Na imagem o avião A320 da Trade Air (9A-BTH), uma companhia croata que nunca tinha visto nem por aqui, em LPMA, nem me lembro de a ver em outro sítio qualquer. Veio de Liubliana e regressou à capital da Eslovénia no mesmo dia. Das duas vezes que cortei o cabelo em Dublin a cabeleireira era da Eslolvénia. Estava na Irlanda até acabar de pagar a casa, no seu país, e depois regressaria imediatamente. Sobre o aparelho na imagem, o avião tem 20 anos e já usou as cores de companhias como Iberia, Koral Blue, OLT Express e Viva Colombia, algumas destas marcas já nem existem.

Referências:

(1) - https://www.trade-air.com/

(2) - www.airfleets.net

quinta-feira, julho 08, 2021

ST PAUL'S CATHEDRAL


(Lisboa) Esta semana a Inglaterra vai jogar a final do Campeonato da Europa de Futebol 2020, uma competição que os ingleses nunca ganharam. Há 10 anos atrás eu visitava a Inglaterra e não era a primeira vez nem seria a última. A fotografia é dessa altura, agosto de 2011. Como estava fora de Londres e queria muito ir à capital do Reino Unido, aproveitei um sábado. O objectivo era chegar à cidade, a uma estação de underground. Facilmente poderia ir para qualquer lado pelo tube, a rede de metro londrina. O roteiro que repeti mais de uma vez consistia em vir à superfície perto da Tower of London, atravessar a icónica Tower Bridge e fazer todo o caminho para oeste acompanhando o rio Tamisa até à Ponte de Westminster. Depois atravesso esta ponte, passo pelo Parlamento e pelo Big Ben, visito a casa do Primeiro-Ministro (britânico) e vou até ao Palácio de Buckingham. É uma viagem no tempo até aos meus primeiros livros de inglês do quinto e do sexto anos com a miss Cassiano nos Salesianos. Não me lembro do nome da professora do sexto ano nem do professor que a malta chamava de verdinho, nos sétimo oitavo e nono anos. A primeira vez que vi fotografias de Londres, na verdade, nem foi nos livros de Inglês da escola. Havia em casa umas placas ou suportes para por panelas quentes na mesa com fotografias da cidade. Lembro-me também de uma viagem feita pelas tias a Londres em que trouxeram uma caneta gigante com imagens e um pequeno globo de neve. Na altura ainda não conhecia os ímanes para as portas dos frigoríficos. Parecia que Londres e eu já nos conhecíamos há muito tempo. Tenho memórias de ver um casamento real também na televisão que teria sido o do Príncipe André com a Princesa Sara em 1986. O casamento de Diana com Carlos foi em 1981, não acredito que tenha memórias desses tempos. E o pequeno vídeo da Thames TV no final de programas? Este aqui: https://www.youtube.com/watch?v=zwyFc7RAXdU. Foi assim que me colonizaram desde pequeno.

domingo, junho 20, 2021

HOTEL GALO VERMELHO


(Lisboa) O Hotel Galo Vermelho fica lá no fim do mundo assim como para quem vive lá, em Gramado, eu estou também no fim do mundo. A distância de Lisboa a Gramado é de mais de 8700km. A fotografia tem mais de dez anos.

domingo, maio 30, 2021

PAREDES PINTADAS

MURAL NA CALÇADA DE CARRICHE


(Lisboa) Tem poucos dias, esta obra de arte. Detalhes que só se vê andando a pé.

 Detalhe do mural realizado num dos acessos à ponte pedonal na Calçada de Carriche em Lisboa, no âmbito do projecto Mural18 promovido pela Área Metropolitana de Lisboa e com o apoio da Galeria de Arte Urbana | GAU, da Câmara Municipal de Lisboa e da Câmara Municipal da Moita. in @pinhal_art (Pedro Pinhal)

segunda-feira, maio 24, 2021

JUPITER E SATURNO

FUNCHAL - JUPITER - SATURNO - CALLISTO - IO - GANYMEDE - EUROPA

(Lisboa) No passado mês de dezembro, no Funchal, captei esta imagem. Aqui estão os dois planetas maiores do nosso Sistema Solar: Júpiter e Saturno. Júpiter é a bola maior do lado esquerdo e Saturno é a oval quase no canto superior direito. Também se veem as luas de Júpiter, as quatro maiores, são aquelas quatro manchas que aparecem sobre uma linha imaginária oblíqua que corta o planeta pelo equador. De cima para baixo, Callisto mais afastado, do lado esquerdo, Io e Ganymede bem mais perto e ainda do mesmo lado esquerdo e Europa do lado direito.

HENRIQUE AFONSO

(Lisboa) Quem não tem o desejo de dar a volta ao mundo? De barco, de avião, de carro, bicicleta ou até a pé. Sim a pé, creio que seria possível em teoria e em termos de distância apenas. Estou só a fazer a contabilidade de distância porque uma volta ao mundo implica atravessar superfície terrestre coberta por água e claro que a pé, de carro ou de bicicleta não seria possível. Mas uma viagem desta natureza só é real tendo uma condição física aceitável, paciência e muita muita vontade. Henrique Afonso viaja na sua Sofia do Mar desde janeiro de 2019 e deve chegar nas próximas semanas à Ilha da Madeira. Imagino que será muito bem recebido. Tenho acompanhado algumas das suas publicações que faz nas redes sociais, por onde passa. Há uns dias publicou um vídeo onde mostra os sítios no globo onde esteve. Impressionante. O perímetro da Terra são mais ou menos uns 40000 km. A viagem não é um perímetro perfeito por isso a distância percorrida pela Sofia do Mar terá de ser superior a esse valor. Tenho tantas perguntas que gostava de fazer.

Referências:

(1) - https://historiasdomar.blogosfera.uol.com.br/2021/05/01/portugues-da-volta-ao-mundo-com-200-litros-de-vinho-no-barco-mas-nao-bebe/

(2) - https://www.dnoticias.pt/2018/12/20/178136-madeirense-de-56-anos-vai-dar-a-volta-ao-mundo-sozinho-num-veleiro-e-volta-em-2022/

(3) - https://www.oseculoonline.com/volta-ao-mundo-no-veleiro-sofia-do-mar-portugues-jose-afonso-saiu-da-ilha-da-madeira-e-ja-esteve-em-durban-cabo-e-port-elizabeth/

(4) - http://www.cm-funchal.pt/en/not%C3%ADciaspt/5429-henrique-afonso-%E2%80%9Cpirata%E2%80%9D-partiu-do-funchal.html


quarta-feira, maio 12, 2021

30 ANOS DEPOIS

VISITA DO PAPA À MADEIRA - 1991

(Lisboa) Foi num sábado ou num domingo? Não tinha a certeza quando comecei a escrever estas linhas. 12 de maio de 1990 foi num domingo, tirei a dúvida agora mesmo, num calendário. Saímos de casa eu, o meu pai, a minha mãe e a minha irmã. Fomos ver o cortejo papal na esquina entre a Rua do Bom Jesus e a Rua 31 de Janeiro. Era da parte da manhã. É a única fotografia que tenho da visita do Papa à Madeira, e acho que foi também a única que tirei. Foi o melhor que consegui numa máquina que era muito simples, para tirar fotos: era só carregar no botão, não havia nenhum ajuste possível em termos de abertura ou velocidade de captura. A única coisa mais complexa era mesmo olhar pela ocular e tentar apanhar o alvo. Estou a falar de uma máquina que tinha um formato rectangular, deveria ter mais ou menos o volume de três caixas de fósforos alinhadas. Depois de tirar as fotos tínhamos de esperar o rolo acabar para então revelar as doze ou vinte e quatro que nunca eram doze ou vinte e quatro porque algumas não eram reveladas por vontade própria das pessoas que o faziam, na loja de fotografia. Mais um tipo de serviço que hoje praticamente já não existe. Foi a primeira vez que tirei a fotografia ao papamóvel, na altura desconhecia o seu destino e já agora, o meu também. Voltei a fotografá-lo uns anos mais tarde, por acaso (2) e anos depois em frente à Sé (1). O Diário de Notícias da Madeira, de vez em quando, nos presenteia com edições antigas completas em PDF e também recentemente disponibilizou a edição de 4 de maio de 1991, uns dias antes da visita de João Paulo II, com boatos da capital estampados na capa (3). Nesse dia 4 de maio se forem ver em (3) a programação da RTP-Madeira, passou o McGuiver, o Rotações e o Caminho das Estrelas também, tudo mais ou menos à hora de almoço que é o tempo que se convencionu chamar ao intervalo entre as doze e as catorze horas. No sábado seguinte, véspera da visita do Papa, também deve ter sido esse o alinhamento. À tarde fui para a catequese, mas disso já falei aqui há uns dias atrás. 

Referências: