terça-feira, outubro 27, 2020

SALESIANOS - GEOGRAFIA

(Lisboa) Passei a ter Geografia quando cheguei ao 7º ano. O 7º ano implicava uma mudança e também uma mudança de piso no edifício principal da Escola Salesiana, no Funchal. Entrávamos pelo rés do chão que não era bem um rés do chão mas na prática era. Na primeira metade dos anos noventa do século passado vínhamos da oração da manhã ou de um intervalo qualquer ao longo do dia. Subíamos até ao andar da Secretaria e da Cantina mas se não fosse hora de almoço, só de passagem, poque os pisos das salas de aula eram mais em cima, nos dois andares seguintes. No segundo andar ficavam as salas das turmas do terceiro ciclo, 7º, 8º e 9º anos ou também chamado de Unificado. No terceiro andar ficavam as salas do 5º e do 6º anos e no quarto andar, se a memória não me falha, a sala de música de um lado e do outro os quartos dos senhores padres que viviam na escola. Não tenho a certeza mas acho que também existiam quartos de dormir no terceiro andar do outro lado das escadas centrais. Parecia que este último andar, só com salas de janelas altas só era usado regularmente para as aulas de música. Havia muito espaço por aqui e muitas outras salas para além daquelas que usávamos. Havia também uma sala muito especial neste quarto piso: a sala dos computadores em que o Sr. Padre Vieira que nunca foi meu professor de matemática, nos levava a conhecer o admirável mundo novo dos computadores. Na altura eram essencialmente jogos. E eu adorava aquele mundo virtual. Mais tarde, cá em baixo na Escola Francisco Franco havia uma sala semelhante, a sala da internet. Voltando ao tema principal do texto, a disciplina de Geografia. Tive Geografia durante os três anos do Unificado. No 7º ano dado por uma professora jovem e alta cujo nome já não me lembro mas se as opções fossem dadas um teste de escolha múltipla estou convencido que acertava na resposta. Ela não dava muita confiança mas também não era autoritária, sabia gerir muito bem a turma. Nos dois últimos anos do ciclo, por um professor antigo oficial da marinha, mais velho, cujo nome era Pimenta de França, mais uma vez recorrendo-me da memória. O senhor professor tinha um ar austero e contava-nos as suas experiências ao redor do mundo nos navios onde trabalhou. Com a sua mão direita aberta batia no seu ombro esquerdo e assim ficava para mais uma explicação. Sabem, se souberem, aquela analogia do primeiro episódio da série Cosmos de Carl Sagan, em que é comparada a história do universo como se fosse um ano de 365 dias e em que o Homo Sapiens só aparece nos últimos instantes do último dia do ano? Foi ele, o Professor de Geografia que me contou pela primeira vez. A mim e a toda a turma. Só anos mais tarde vi a série Cosmos e redescobri essa memória. Na verdade li o livro antes de ver a série. É um daqueles professores que nos fica na memória. Ele ditava os apontamentos nas aulas juntamente com explicações à parte, com histórias e comentários sobre a actualidade. Ele detestava os concursos de televisão à noite como a Cornélia. Na Madeira dos primeiros anos da década de noventa do século passado só havia um canal de televisão aberto para toda a população, a RTP-Madeira. A RTP-Madeira na altura trazia um pouco do mundo para dentro de casa de cada um de nós. Hoje a RTP-Madeira leva-nos a casa o arquipélago e as ilhas porque existem muitos outros canais e vias para nos ligarem ao mundo. Existem talvez demasiados. A TV Cabo chegou em 1992 mas nem toda a gente tinha em casa esses canais. Começaram também a surgir as antenas parabólicas mas a Ilha não era muito focada pelos satélites que transmitiam televisão. Com antenas de 90 ou 120 cm não se apanhavam muitos canais. E porquê que ele ditava? Para que os alunos tivessem acesso às explicações correctas sobre a matéria. Creio que foram nessas aulas que comecei a me interessar pela Astronomia. Ele explicou antes de eu saber o que era, a Eclíptica. A definição que encontram no Dicionário da Priberam não é muito clara e não me parece que alguém que não saiba o que realmente é a Eclíptica perceba, da sua leitura. A Eclíptica é uma linha imaginária na esfera celeste, é a linha que o sol percorre, no céu, ao longo do ano. Foi assim que ele explicou e foi assim que eu percebi o que era sem saber praticamente mais nada de Astronomia e é essa a definição clara. Nos testes o Professor Pimenta de França exigia respostas iguais às que estavam nos apontamentos para as suas perguntas. Não que não existissem outras formas de responder mas porque o aluno assim, se tivesse dificuldade em encontrar uma outra forma de responder poderia se socorrer naquele texto sabendo que estava ali toda a informação necessária para se sair bem na prova. Não sei se um professor como ele teria ainda lugar no actual sistema de ensino, não sei se ainda existirão professores como ele no actual sistema de ensino. Na verdade eu já não conheço o sistema de ensino. As variáveis tecnológicas dos últimos anos vieram alterar a maneira como comunicamos entre nós, vieram trazer a ansiedade de estar sempre ligado e sempre a par do que está passar em cada momento. Somos todos produtores de conteúdos directa ou indirectamente, se não formos produtores apareceremos no conteúdo de alguém certamente. E como produtores de conteúdos estamos obviamente interessados em ver os nossos produtos consumidos por alguém, gostado por alguém, partilhado por alguém, e isso gera ansiedade. No final de um dia de aulas nos Salesianos arrumava as minhas canetas, cadernos, livros e lápis na mochila e descia acompanhado a Rochinha no autocarro 32, ou a pé. Cá em baixo, no centro do Funchal, despedia-me dos amigos depois de uma conversa animada sobre o que se tinha passado no dia ou na televisão no dia anterior e seguia para casa. Deixava de estar contatável até ao dia seguinte de manhã, na paragem do 32, bem cedo. Se tivesse em casa poderia receber uma chamada telefónica para o número fixo de telefone que servia todos quantos viviam na casa e tinham acesso ao aparelho. Hoje em dia estamos cheios de fios ligados a nós, fios imaginários que podem ou não pesar sobre os os nossos corpos, tem tudo a ver como lidamos com as ferramentas que temos ao nosso dispor. Muitas vezes até gostaríamos de estar menos ligados ao mundo em certas ocasiões e só não estamos porque pensamos que vamos perder algo de muito importante. Por outro lado a informação disponibilizada hoje num qualquer aparelho com ligação à Internet é muito mais do que aquela que tínhamos acesso na biblioteca da escola, muito mais que na biblioteca municipal. Nos Salesianos só tivemos biblioteca no meu 7º ano. Ficava longe e se estivesse a chover apanhávamos uma molha valente pois para chegar lá só mesmo pelo exterior dos edifícios. Era preciso sair do edifício central e caminhar até ao final do da primária, passar pelas oficinas de trabalhos manuais de madeiras e pela marcenaria, passar do lado exterior, com a clemência ou não da meteorologia. Como seria uma aula com o Professor Pimenta de França no ano de 2020? Seria uma experiência interessante possibilitada pela minha imaginação colhendo a informação que o estreito túnel do tempo ainda me permite obter e transportando esses dados para os tempos actuais. Creio que o Professor já não está vivo mas talvez todos os seus alunos da turma C ainda estejam.

terça-feira, outubro 20, 2020

CALÇADA DO QUARTEL

CALÇADA DO QUARTEL - MACAU

(Lisboa) Esta é a Calçada do Quartel, na Taipa. De acordo com o dicionario Priberam, a definição,
calçada
substantivo feminino
1. Rua ou caminho empedrado.Ver imagem
2. Rua ladeirenta.
3. Conjunto das pedras que formam a calçada.
"calçada", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/cal%C3%A7ada

A Calçada do Quartel liga a Avenida Carlos da Maia à Rua Direita Carlos Eugénio. Os prédios coloridos da Taipa que me fizeram parar para registar o espaço e o momento. Vinha eu do espaço da Festa da Lusofonia.

Referências:

domingo, outubro 11, 2020

PRAIA FORMOSA

HOTEL ORCA

(Lisboa) A fotografia, tirada da Doca do Cavacas, mostra a Praia Formosa e um dos protagonistas da imagem é também o Hotel Orca Praia. O relevo na Madeira é sempre um desafio para qualquer construção e o hotel teve de ser construído na encosta. Desconheço a data da sua construção mas deve ter algumas décadas, lembro-me do hotel desde o tempo em que vivia no Funchal. Junto ao mar, o Passeio Marítimo liga o Funchal a Câmara de Lobos.

sexta-feira, outubro 02, 2020

O DEBATE

(Lisboa) A certa altura Biden refere-se ao seu adversário como este palhaço e fiquei a pensar que os debates em Portugal poderiam ter esta intensidade. Os debates precisam de intensidade. Palhaço, neste contexto, nem se aproxima de um insulto. Tirem as dúvidas em baixo, no link para a definição da palavra, no dicionário da Priberam. Não se aplica? A definição encaixa bem. Alguns meios de informação, como a Rádio Jovem Pan, no Brasil, fazem-me duvidar se realmente vi e ouvi o mesmo programa. Fui à procura para ver se teria acontecido mais alguma contenda entre os dois principais candidatos à presidência dos EUA, no mesmo dia. A Rádio Jovem Pan parece a rádio daquele ex-ministro iraquiano, Mohammed Saeed al-Sahhaf, uma figura em permanente negação, uma figura que chega a ser patética. Personagens sinistras lavam a cara suja de um governo que mais parece um castelo de cartas, a sua visão da política norte americana não é diferente da visão da política doméstica brasileira. Por cá e há mais ou menos um ano atrás, Miguel Albuquerque não ia fazer um debate com Paulo Cafôfo porque ele, o Cafôfo, não era mais que os outros. Lembram-se? Nos links em baixo estão as justificações. A segunda força política na região era o CDS, em 2015, por isso em 2019, como presente pelo seu desempenho quatro anos antes, Miguel Albuquerque deu aos companheiros de coligação muito mais do que aquilo que perdeu em votos e mandatos (50%, coisa pouca) nas eleições do ano passado tendo o CDS hoje muito mais poder e influência, com metade dos votos do mandato anterior que o PS, com menos dois deputados que o partido mais votado, o PSD, e mais de seis vezes mais que os centristas. Justíssimo não acham?

Referências:

(1) - https://dicionario.priberam.org/palha%C3%A7o

(2) - https://www.rtp.pt/madeira/politica/miguel-albuquerque-recusa-debate-com-paulo-cafofo_31643

(3) - https://www.jm-madeira.pt/regiao/ver/71464/Albuquerque_Nunca_tive_medo_de_debates 

(4) - https://pt.wikipedia.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%B5es_legislativas_regionais_na_Madeira_em_2019


terça-feira, setembro 29, 2020

CHEOC VAN

CHEOC VAN - COLOANE - MACAU


(Lisboa) A fotografia é de Coloane, em Cheoc Van. Final da tarde em Macau. O trilho à beira mar de Long Chao Kok parece maior do que realmente é, tem apenas 1200 metros e nem sempre é fácil de percorrer mas é muito agradável. Não é fácil de andar porque existem partes onde o piso não é liso nem plano, onde é preciso meter o calçado no meio da pedra, onde se coloca o pé na rocha inclinada, onde os degraus não são uniformes mas faz-se, com cuidado e sem pressa, fica mais simples. 

Referências:

(1) - https://nature.iam.gov.mo/e/trails/detail/4a8be116-77eb-4a35-95e9-5d6e82ba4b23


sábado, setembro 26, 2020

VIAJAR

STOP

(Lisboa) Viajar é o melhor remédio? Não sei se é o melhor remédio, mas é um bom remédio para muitas maleitas.

segunda-feira, setembro 07, 2020

AIRBUS A340

CS-TOB - D. JOÃO DE CASTRO - LPPT - AEROPORTO HUMBERTO DELGADO

 (Lisboa) Viajar, há várias maneiras de viajar e nem todas passam por se sentar num banco de avião durante muitas ou poucas horas. Há maneiras de viajar que também não passam por percorrer muitos quilómetros dentro de um carro. Não passam por passar vários dias dentro de um navio de cruzeiros a conhecer várias cidades portuárias. Não passam por conhecer a sua cidade ou o seu bairro a pé prestando atenção em pormenores que normalmente lhe passam despercebidos. Há formas de viajar que não implicam movimento físico. Um amigo meu da Escola Secundária Francisco Franco, por altura do secundário, perguntou-me por que lia, parecia-lhe a ele tão chato. Depende, ler pode ser chato de facto, se leres coisas que não gostas. Como ele era obrigado a ler Virgílio Ferreira e ou Eça de Queiroz e não gostava, fazia de tudo para evitar o sofrimento que lhe provocava essa acção, então comprava os resumos que na altura se vendiam das obras literárias exigidas na escola. Como para mim não fazia sentido ler o resumo sem ter lido o original nunca dei o dinheiro dos meus pais para comprar as interpretações dos outros. A descrição do Ramalhete era um desmotivador para muita gente e não vou censurar ninguém por isso. O mais importante era passar o gosto pela leitura e sempre tive as minhas dúvidas se obrigar alguém a se limitar a um conjunto tão limitado de obras e tipos de escrita não teria o efeito contrário. Com a chegada da Internet outra possibilidade de viajar passou a existir, ouvir uma rádio local mesmo que estejamos fora do alcance das ondas de FM ou OM.

A fotografia de hoje é de um dos antigos A340 da TAP, de matrícula CS-TOB e nome D. João de Castro. Fotografei-o num dos seus últimos voos. Ele foi protagonista em pelo menos duas NOS Air Race. Da primeira vez que fui ao Brasil levou-me ou trouxe-me, já não me recordo.

terça-feira, agosto 11, 2020

SÃO VICENTE

SÃO VICENTE - ILHA DA MADEIRA

 (Lisboa) A fotografia data de janeiro de 2007, tirada em São Vicente, Ilha da Madeira. Trata-se de um edifício da EARBL que quer dizer Empresa Automobilista da Ribeira Brava Lda. A empresa EARBL terá existido no século passado, entre os anos de 1944 e 1968, tendo-se juntado com a Sociedade Automobilística de Câmara de Lobos e a Sociedade de Automóveis de Câmara de Lobos para formar a Rodoeste. Nas minhas viagens virtuais descobri que este espaço foi renovado. Tenho muito gosto em saber que as coisas podem ser reaproveitadas e não simplesmente demolidas e reconstruídas. Não digo que isso não deva ser feito, a reconstrução, em certas situações simplesmente não temos alternativas.

Referências:

(1) - http://www.rodoeste.pt/empresa

(2) - https://arquivo-abm.madeira.gov.pt/details?id=66151

sábado, julho 25, 2020

HELSÍNQUIA

HELSÍNQUIA - FINLÂNDIA

(Lisboa) A primeira vez que vi imagens de Helsínquia deve ter sido no filme de Jim Jarmusch, Night on Earth, de 1991. O filme passa-se em várias cidades e a capital da Finlândia é uma delas. A vida profissional levou-me várias vezes a este país. Talvez por acaso quase sempre no Verão ou perto dele, nunca no Inverno. A fotografia de hoje é da minha primeira viagem, em junho de 2008. Helsínquia é uma cidade simpática, pequena, o seu centro dá para percorrer bem a pé. O Estádio Olímpico está a uns 2.5 km da praça principal da cidade. A torre do estádio tem 72 metros de altura, subi os seus degraus todos até lá em cima. Helsínquia recebeu os Jogos Olímpicos de Verão em 1952. Portugal, por curiosidade, ganhou uma medalha de bronze nos jogos, em vela.

Referências:
(1) - https://en.wikipedia.org/wiki/Helsinki_Olympic_Stadium
(2) - https://en.wikipedia.org/wiki/1952_Summer_Olympics
(3) -https://en.wikipedia.org/wiki/Portugal_at_the_1952_Summer_Olympics

sexta-feira, julho 24, 2020

BOEING 777

EMIRATES - LPPT - A6-ENO - BOEING 777-300

(Lisboa) Do tempo em que eles voavam para Lisboa. Esse tempo deve voltar, mais cedo ou mais tarde. O modelo 777 voou pela primeira vez em junho de 1994 e o seu primeiro voo comercial foi um ano depois. Este da imagem é da companhia Emirates, modelo 300 ER, matrícula A6-ENO.

Referências: